Quinta-feira, 8 de Janeiro de 2009

Escondido de tudo...

Fecho a porta
Que me leva para o mundo exterior
Fecho também as cortinas
Das janelas que insistem em me trazer cor.

Quero ficar no silêncio
De quem não sabe o que fazer
Quero ficar escondido
Onde ninguém me consiga ver.

Não consigo controlar
Esta ansiedade que me faz fraquejar
Que me impede de caminhar
E que se encontra longe de acabar.

Sinto a coragem a faltar dentro de mim
E sem forças para o medo combater
Estou cansado de me sentir assim,
Com esta dor que somente me faz sofrer.

Hoje estou escondido de tudo
Não sou capaz de nada enfrentar
A tristeza envolve-me como um escudo,
Não deixando nada de bom entrar.

No entanto jamais irei desistir
Pois de novo as janelas quero abrir
Para um mundo que ainda tenho por descobrir,
E que certamente irei conseguir.

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 05:17
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2009

Sorriso falso...

Acordei

Ainda sentia a cabeça a latejar

Os meus olhos eram fontes de lágrimas

O meu corpo estava imóvel

Tentei mexer-me mas o corpo não respondeu

O ataque psicológico tinha sido forte demais

A minha alma morrera…

E agora? O que fazer perante este óbito

que deixou para traz uma mente cheia de mágoa

um corpo dorido por ter sido atacado

por palavras e injurias sem significado…

Sim teria sido melhor morrer também…

Meu peito apertou…

Levantei-me com dificuldade e

assim que coloquei os pés no chão

espetaram-se flechas de gelo

que se cravaram no meu coração

que ao gelar originou-me um sorriso

aquele sorriso de hipocrisia de falsidade

com que ando todos os dias…

Aquele sorriso que me faz ser indomável…

Aquele sorriso que apaixona o mundo…

Aquele sorriso que encobre que estou de luto

porque a minha alma morreu…

por o mundo que nos rodeia ser completamente falso…

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 05:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 6 de Janeiro de 2009

Dias incompletos...

Repetem-se os dias

numa cadência

insuportável.

O cinzento desbota-me

os olhares,

e as palavras morrem

nos lábios,

monossílabos singulares

sozinhos

que nada significam.

Os dias de chuva partem,

e os de sol

voltam e retornam,

nem o frio me trespassa,

nem mancho o colarinho

no calor dos dias

iguais.

Sou eu,

e o insuportável peso

de me ter;

e por mais que olhos

se incendeim

e te conheça nos desejos

que me acordam,

enquanto não voltes...

e me sacudas,

os dias incompletos

repletos de horas

repetem os acordes tristes

dos dias sem ti,

dos dias iguais

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 07:50
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009

Rastos de dor...

 

Deixo-me levar pelo som das ondas do mar
E tento esquecer a tristeza que invade o meu coração
Som suave, penetrante capaz de atenuar
O sofrimento desta vida sem direcção.

O cansaço de me sentir um falhado
Derruba todas as energias que me fazem aguentar
Deixando rastos de dor em duplicado
Que de mim não me querem abandonar.

Vejo a desilusão ganhar espaço em mim
Da mesma forma que a onda do mar conquista a areia
Nunca tinha sentido nada assim
Mas que se envolve à minha volta como uma teia.

Como tenho vontade de mergulhar no mar esta dor
Que me consome cada dia mais
Libertar-me de vez deste ardor
Que já me destrói demais.

Sinto falta de um abraço
Que me envolva de novo em esperança
Que me proteja deste cansaço
E que me faça sentir ares de uma rápida mudança.

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 07:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 4 de Janeiro de 2009

Novas sensações...

 

A indecisão aperta

Num coração abatido

Pelo que de novo irá encontrar.

Pelo que de novo irá sentir.


O medo de um novo fraquejar

Mantém-se vivo no seu interior

Agarrando-o à duvida

Com medo de cair num novo abismo sofredor.


Os dias passam...

E a vibração é inconstante

Receosa, por vezes dolorosa

Sem nunca se libertar

Sem nunca se envolver com novas emoções.


Coração partido ao meio

E em que as partes dificilmente se tocam,

Estando raramente próximas

Dificultando assim a sua união.


Coração desesperado

Por uma solução rápida

Que tarda em encontrar, que tarda em sentir

Apenas o medo controla a sua vontade

E que assim o continua a ruir


Coração que tem que se libertar

Deixar penetrar por novas sensações

Emoções

Viver sem saber o que se passará a seguir

Apenas ir

Como se o vento o conduzisse…


O resultado

Virá depois…

E ai saberá…

Depois de ter de novo vivido.

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 08:38
link do post | comentar | favorito
Sábado, 3 de Janeiro de 2009

Finges não perceber...

 

A tristeza invadiu a minha vida,

Sinto-me num beco sem saída,

Sem saber para onde vou.

Completamente incompreendido,

Sou como um barco à deriva,

Sem saber por onde navegou.


E se sinto algum alento,

Logo me vem ao pensamento,

Que não sei para onde ir.

A dúvida é um tormento,

Que não se esvai nem um momento.

Não sei para onde fugir.


Tomara saber-te dizer,

De forma que pudesses perceber,

Tudo o que me vai no coração.

Mas limito-me a esconder,

Tu que finges não perceber,

Esta minha grande paixão.

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 07:33
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 2 de Janeiro de 2009

Vagueio, perdido...

 

Sinto-me perdido,
Sem saber como voltar,
Não há caminho nem rumo,
Não há esperança em nenhum lugar.

Não há sorriso que me alegre,
Não há palavras que me confortem,
Não há luz que me ilumine,
Só vejo almas que sofrem.

Sinto-me abandonado,
Esquecido em algum lugar,
Não há quem me procure,
E não me consigo encontrar.

Não há nada que me alimente,
Que ressuscite o meu ser morto,
Sinto que perdi a alma,
Vagueio perdido no meu corpo.

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 05:30
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 1 de Janeiro de 2009

Hoje, sinto-me triste...

 

Hoje sinto-me triste
Sinto falta de um carinho
Sinto falta de uma carícia
De um abraço…mesmo de um beijo

Sinto-me como uma folha
Que deixa o seu ramo
Rumo ao chão
Sem olhar para cima

Como uma árvore que
Ao ver as folhas caindo no chão
Se sente completamente despida.
E impotente para o evitar…

Sinto-me como se o mar
Sentisse que os peixes
Não quisessem mais nadar
Nas suas aguas cristalinas….

Sinto-me como uma pássaro
Preso numa gaiola
Sem poder mostrar a
Sua mestria livremente

Enfim, sinto-me sem rumo
Completamente perdido
Neste caminho a que se
Costuma dar o nome de Vida.

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 08:17
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2008

Quem sabe um dia...

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Queria sorrir de novo e mostrar no meu rosto
O complemento da minha alegria interior…mas...
Hoje mais uma vez sinto-me triste
Tudo ao meu redor se encontra bem e feliz…
E eu sinto-me isolado, um caso diferente do normal.
Sinto-me como um cão abandonado e desiludido
Onde espera desesperadamente por um carinho…

Hoje sinto a vida a passar como um comboio a grande velocidade
E mais uma vez, não me sinto capaz de o apanhar e seguir com ele….
O desânimo e o cansaço impedem-me de o fazer…
Amanhã tentarei apanha-lo, mas como tem sido ultimamente…
Não chegarei a tempo de ir com ele…

Quem sabe um dia… destes…

sinto-me: triste...
música: Craig David - Walking Away (US Version)

publicado por miguel_sousa às 05:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 30 de Dezembro de 2008

Na busca do amor...

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Leva-me contigo…
Nada faz sentido…
Mostra-me o caminho….
Porque tudo está perdido….

Leva-me no ar..
Onde só tu podes chegar…
Flutuar sobre o mar.
Como um pássaro a voar…

Leva-me a sonhar…
Para mais tarde recordar…
Para sempre lembrar…
Para sempre amar….

Leva-me por favor…
Na busca do amor….
Ando sempre em terror…
Com o meu coração sofredor…

sinto-me: triste...
música: Duce Pontes - Indios da meia praia

publicado por miguel_sousa às 03:56
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 29 de Dezembro de 2008

Uma nova ilusão...

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Uma lágrima cai sem destino
Num rosto amargurado
Derrama dor sem aviso
Sinal de um amor terminado

O fim de um sonho vivido,
Onde a magia simplesmente acabou
Onde tudo foi demasiadamente sentido
E que agora apenas o vazio ficou.

A angústia das horas a passar
Reflectidas no palpitar do coração
Sinal da dificuldade em aceitar
A mudança para esta nova situação.

Novas lágrimas voltarão a correr
Durante momentos de recordação.
Enquanto o tempo não voltar a trazer
O colorido de uma nova ilusão.

sinto-me: muito triste...
música: Eric Clapton-Someone Like You

publicado por miguel_sousa às 07:51
link do post | comentar | favorito
Domingo, 28 de Dezembro de 2008

Sonhei com um amor verdadeiro...

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Construí um castelo encantado
Com portas, janelas, telhado,
Muito amor, dedicação…
Um dia veio uma onda,
Na areia ficaram as marcas
Das feridas do meu coração.

Desenhei uma nuvem no céu
Com pedaços de ti, que és minha
Sorrisos, olhares e amor!
Veio então a ventania
Logo depois uma agonia
E só restou a dor.

Sonhei com um amor verdadeiro
Que seria único e primeiro,
Que nos alimentaríamos só de paixão!
Acordei então de repente,
E vi que a vida que tinha à frente
Não passava de ilusão!

sinto-me: triste...
música: Mafalda Veiga - Cada Lugar Teu

publicado por miguel_sousa às 08:46
link do post | comentar | favorito
Sábado, 27 de Dezembro de 2008

Sinto-me só...

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Sinto-me só...
Tu, tão longe de mim...
No coração a saudade,
Na minha mente lembranças
De tempos de felicidade.

Sinto-me só...
Tu, tão longe de mim...
E este amor que aumenta,
Vai ficando mais forte, mais triste
Porque a saudade atormenta...

E estou só...
E chamo-te, chamo por ti!
Mas tu, tão longe de mim...
Não me ouves...
E tudo continua assim...
E fico só...

sinto-me: triste...
música: Susana Félix - Amanhecer

publicado por miguel_sousa às 08:41
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 26 de Dezembro de 2008

A minha poesia é tua...

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Esta noite nada é o que parece,
o que parecia eterno, hoje carece...
Esta noite a lua não é lua
e a sua luz é tão escura...
...por isso escrevo em penumbra.

Ela perdeu a sua grandeza,
o que antes era alegria, hoje é tristeza...
Esta noite o meu querer é perder
e seu amor acabou...
...por isso escrevo sem fé.

Esta noite será para sempre
o que mais quero perde-se...
Esta noite minha alma não respira
e a sua luz está ferida...
...por isso escrevo sem vida.

Esta noite nada parece o que é,
o que parecia eterno, acabou...
esta noite a lua me tortura
e o meu amor ainda perdura...
por isso a minha poesia é tua.

 

Amo@te muito melguinha!!!

sinto-me: muito triste...
música: Mariza - Há palavras que nos beijam

publicado por miguel_sousa às 03:19
link do post | comentar | favorito

Sementes

 

 

Um homem trabalhava numa fábrica distante cinquenta minutos de autocarro da sua casa. No ponto seguinte entrava uma senhora idosa que sempre se sentava junto à janela. Ela abria a bolsa, tirava um pacotinho e passava a viagem toda jogando alguma coisa para fora.

A cena sempre se repetia e um dia, curioso, o homem perguntou-lhe o que ela tanto jogava pela janela.
- Jogo sementes, respondeu ela.
- Sementes? Sementes de quê?
- De flores. É que eu olho para fora e acho que a estrada é tão vazia. Gostaria de poder viajar vendo flores coloridas por todo o caminho. Imagine como seria bom!
- Mas as sementes caem no asfalto, responde o senhor, são esmagadas pelos pneus dos carros, devoradas pelos passarinhos.
- A senhora acha mesmo que estas sementes vão germinar na beira da estrada?
- Com delicadeza ela responde, Acho meu filho! Mesmo que muitas se percam, algumas delas acabam caindo na terra e com o tempo vão brotar.
- Mesmo assim, demoram para crescer, precisam de água…
- Ah, eu faço a minha parte, diz a senhora. Sempre há dias de chuva. E se alguém jogar as sementes, um dia as flores nascerão. Dizendo isso, virou-se para a janela aberta e recomeçou seu trabalho.

O homem desceu logo adiante, achando que a senhora já estava senil.

Algum tempo depois …

Um dia, no mesmo autocarro, o homem ao olhar para fora percebeu flores à beira da estrada. Muitas flores, a paisagem colorida, perfumada e linda! Lembrou-se então daquela senhora. Procurou-a em vão. Perguntou ao cobrador, que conhecia todos os usuários no percurso.
- O senhor viu aquela senhora que joga sementes pela janela?
- A velhinha das sementes? Pois é, morreu há quase um mês.
O homem voltou para o seu lugar e continuou olhando a paisagem florida pela janela e pensou:
- “Quem diria, as flores brotaram mesmo. Mas de que adiantou o trabalho
dela? Morreu e não pode ver toda esta beleza”.

Nesse mesmo instante, ouviu risos de criança. No banco à frente, uma menina apontava pela janela toda entusiasmada:
- Mamã, olha, que lindo! Quantas flores pela estrada! Como se chamam  aquelas flores?

Então, o senhor entendeu o que aquela senhora havia feito. Mesmo não estando ali para ver, fez a sua parte, deixou a sua marca, a beleza para a contemplação e a felicidade das pessoas.

No dia seguinte, o homem entrou no autocarro, sentou-se junto à janela e  tirou um pacotinho de sementes do bolso. E assim, deu continuidade à vida, semeando o amor, a amizade, o entusiasmo e a alegria.

“O futuro depende das nossas acções no presente. E se semeamos boas
sementes, os frutos serão igualmente bons.”

Vamos semear as nossas sementes agora!

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 00:20
link do post | comentar | favorito

Parabéns

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Hoje sim, estou mais triste que nunca.

Habituei-me nos últimos 4 anos a ser o primeiro a dar-te os parabéns neste dia.

Não sei mais o que faça da minha vida.

Cada vez tenho menos vontade de viver assim.

De qualquer forma aqui ficam os meus parabéns princesa.

Nunca te esqueças... Aconteça o que acontecer estarei sempre aqui para ti.!!!

Amo@te muito!!!

sinto-me: triste...
música: Fingertips - Picture of my Own

publicado por miguel_sousa às 00:01
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 25 de Dezembro de 2008

Guardar-te em mim...

 

 

Não estou corrompido pela paixão, ciúme ou cegueira
Estou corrompido pelo amor
Todo eu, corpo e alma, pelo amor
É uma invasão de sentimentos que pela força do seu peso
Me mantém preso, recluso de um coração
O teu..
E eu..
Não encontro a solução para este drama
Remeto à solidão a extinção do que me inflama
Amarroto o meu poema e jogo-o ao chão
Não me entrego, pois não posso, não posso
Pois não quero que entendas meu desespero
Não quero que estendas a mim a compaixão
E embora jure que não, eu prefiro assim.
Guardar-me e guardar-te em mim
Sentir o teu silêncio a abraçar o meu...
A suspirar o que ficou por vir
E perdoar-me
Perdoar-me por ser tão fraco

Por gostar tante de ti
Por ser tão eu...

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 07:36
link do post | comentar | favorito

Feliz Natal

RecadosAnimados.com

 

AMO@TE MUITO PRINCESA!!!

UM FELIZ NATAL PARA TI!!!

BBB

 

 


sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 00:01
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 24 de Dezembro de 2008

Apenas lágrimas...

 

 

Queria passar para palavras este sentimento
Mas apenas lágrimas descrevem o que sinto
É uma dor que chega sem que haja entrega
Que me faz sentir fraco e desprotegido

É uma dor que embala, que toma conta de mim
Que diz que me ama ao tocar meu rosto
É um suspiro escapando, afagando-me a boca
É o alivio que eu busco num ar que sufoca...

Mas apenas lágrimas a minha alma edita
Apenas silêncio quando a minha alma grita
Só queria compreender como algo tão profundo
Se fica pela garganta, entre meus dedos...
Em meu mundo.

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 08:33
link do post | comentar | favorito

Ser feliz é uma decisão

 

 

Uma senhora de 92 anos, delicada, bem vestida, com o cabelo bem penteado e um semblante calmo, precisou se mudar para uma casa de repouso.

O seu marido havia falecido recentemente e a mudança fez-se necessária, pois ela era deficiente visual e não havia quem pudesse ampará-la em seu lar.

Uma neta dedicada a acompanhou.

Após algum tempo aguardando pacientemente na sala de espera, a enfermeira veio avisá-las que o quarto estava pronto.

Enquanto caminhavam, lentamente, até o elevador, a neta, que já havia vistoriado os aposentos, fez-lhe uma descrição visual de seu pequeno quarto, incluindo as flores na cortina da janela.

A senhora sorriu docemente e disse com entusiasmo: Eu adorei!

Mas a senhora nem viu o quarto… Observou a enfermeira.

Ela não a deixou continuar e acrescentou:

A felicidade é algo que você decide antes da hora. Se eu vou gostar do meu quarto ou não, não depende de como os móveis estão arranjados, e sim de como eu os arranjo em minha mente.

E eu já me decidi gostar dele…

E continuou: é uma decisão que tomo a cada manhã quando acordo. Eu tenho uma escolha, posso passar o dia na cama remoendo as dificuldades que tenho com as partes de meu corpo que não funcionam há muito tempo, ou posso sair da cama e ser grata por mais esse dia.

Cada dia é um presente, e meus olhos se abrem para o novo dia das memórias felizes que armazenei…

A velhice é como uma conta no banco, minha filha… De onde você só retira o que colocou antes.

A lição de uma pessoa idosa e sem a visão dos olhos físicos é de grande profundidade e contém ensinamentos valiosos.

E o primeiro deles é que a felicidade é uma decisão pessoal.

Depende mais da nossa disposição mental do que das circunstâncias que nos rodeiam.

Cada pessoa tem, na intimidade, o potencial de armazenar as belezas que deseja ver em sua tela mental, ainda que ao seu redor a paisagem seja deprimente.

Para isso é preciso construir um mundo de felicidade nesse banco de lembranças que Deus ofereceu a cada um de seus filhos.

E quando se constrói um mundo de paz e felicidade, portas à dentro da alma, é possível compartilhar essa realidade com aqueles que nos cercam.

Assim é que se não temos em nossa vida os enfeites que desejamos, arranjemos tudo isso em nossa mente. É uma forma de ver as coisas com olhar positivo e optimista.

Além disso, como toda a criação começa na mente, é bem possível que venhamos a concretizar esse sonho alimentado na alma.

Se você ainda não havia pensado nessa possibilidade, pense agora.

Comece, sem demora, a depositar felicidade na conta do banco das suas lembranças, para poder resgatar sempre que desejar.

Se você abrir a janela, pela manhã, e seus olhos físicos puderem ver apenas paisagens deprimentes, abra as janelas da alma e contemple um jardim em flor.

Respire fundo e sinta o perfume de jasmim, de rosas e cravos, ouça o canto dos pássaros que voam, ligeiros, pelo ar.

Perceba a brisa acariciando seu rosto, e curta a melodia dos grilos e cigarras que cantam para alegrar suas horas.

Decida ser feliz, ainda que seja uma felicidade que só você pode sentir. E lembre-se sempre: a felicidade não depende de como as coisas estão arranjadas, mas de como você as arranja na sua mente.

 

Aproveito para lhe desejar os parabéns D.Dina. Que conte muitos e bons. Aproveito também para lhe desejar um Feliz Natal junto daqueles que mais ama. Tudo de bom para si!

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 08:05
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 23 de Dezembro de 2008

Sonhos perdidos...

 

 

Lamentar sonhos perdidos
Remexer no passado...
Voltar no tempo...
Reviver sonhos adormecidos...
Entregar-se em devaneios...
Nada disso é proibido!!!
Ser feliz ou sofrer...
Mas ainda assim acreditar...
Ainda que impossível...
A esperança que agoniza...
Mas que ainda respira...
que ainda vive no espelho do tempo...
Onde vejo reflectida a imagem destorcida
De alguém que ficou no passado...
Entre lembranças... Simplesmente adormecido...
Na beleza inesquecível...
De um sentimento que ainda vive dentro de mim...
Gritando desesperadamente... Para que volte...

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 10:31
link do post | comentar | favorito

A história da rosa

 

 

Próximo ao canteiro das margaridas, um pequeno botão de rosa despontara prematuramente. Solitária, a pequenina flor apaixonara-se pela singela beleza das flores brancas e amarelas, suas vizinhas.

Espantadas com tamanha simplicidade, as margaridas viam naquele pequeno

botão um exemplo singular de espantosa humildade, pois jamais souberam de uma rosa que não tomasse para si os ares de rainha.

O vento, experiente e desconfiado, resolveu empurrar uma nuvem de chuva

para perto dos canteiros, enchendo rapidamente uma poça de água bem diante do pequeno botão que, no mesmo instante, viu-se reflectido num espelho…

Como num passe de mágica, empertigou-se. Como que movida por um certo

constrangimento, a pequenina rosa afastou-se das belas e singelas margaridas, numa declarada atitude de superioridade nunca demonstrada antes.

Vendo aquilo, o vento suspirou resignado.


Na realidade, a verdadeira simplicidade não é a ignorância do que somos,

mas a consciência de que somos, todos, apenas diferentes uns dos outros.

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 09:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2008

Olhar de amor...

 

 

Foi um choque para aquela jovem mãe quando recebeu o diagnóstico de cancro.
Sucederam-se os tratamentos e, naquele dia, após o internamento, quando ela voltava para casa, sentiu-se muito triste. Ela estava consciente da sua aparência. Estava sem cabelos, por causa da radioterapia.
Sentia-se desencorajada. O seu marido continuaria a amá-la? E o seu filho? Ele tinha apenas seis anos.

Quando chegou a casa, sentou-se na cozinha, pensando em como explicar ao seu filho porque estava tão feia.
Ele apareceu na porta e ficou olhando para ela, curioso. Quando ela iniciou o discurso que ensaiara para ajudá-lo a entender o que via, o menino aproximou-se e aconchegou-se no seu colo, quietinho, com a cabeça recostada no seu peito.

Ela acariciou a cabecinha do filho e disse: “você vai ver como daqui a pouco o meu cabelo vai crescer e eu vou ficar melhor, como era antes”.
O menino levantou-se, olhou para ela, pensativo. Depois, com a espontaneidade da sua infância, respondeu: “o seu cabelo está diferente, mãe. Mas o seu coração está igualzinho.”
A mãe não precisava mais esperar por daqui a pouco para melhorar. Com os olhos cheios de lágrimas, ela se deu conta de que já estava muito melhor.

O essencial é invisível aos olhos, dizia o pequeno príncipe, no livro de Antoine de Saint Exupéry. Quem ama vê além da aparência física e é isto que ama: a essência.

Por isto os casamentos em que o amor é o autêntico laço de união perdura, apesar dos anos transcorridos. Para quem têm olhos de amor, o olhar penetra além do corpo físico que perdeu um tanto do vigor e já não apresenta a exuberância plástica dos verdes anos.

Para esses, o amor amadurece a cada ano, solidificando-se a cada dificuldade enfrentada, a cada óbice superado, a cada batalha vencida.
Enquanto os cabelos vão sendo prateados pelo exímio pintor chamado tempo, e a artista plástica chamada idade vai colocando pequenos sinais na face, aqui e ali, o amor mais cresce.
O sentimento se engrandece à medida que o passo deixa de ser tão vigoroso e um se apoia no outro para descer os degraus, para subir uma escadaria.

A solidariedade torna-se mais intensa, enquanto a vista se embaça um pouco e o extraordinário computador que é o cérebro já não consegue fazer as corretas equações matemáticas, para aquilatar se dá ou não tempo para atravessar a rua. Uma mão segura a outra, muda, para afirmar: esperemos um pouco.

Envelhecer ao embalo do amor é maravilhoso. Desfrutar do aconchego um do outro é reconfortante.
Felizes os casais que envelhecem juntos. Felizes os filhos que sabem aproveitar da companhia generosa de pais e avós que o tempo alcançou.

De todos os momentos da vida os mais preciosos são os desfrutados com amor.
Quando as dificuldades se avolumam, os problemas crescem, os dias solitários chegam, é maravilhoso ter momentos de carinho para serem recordados.
Momentos que recebemos ou que ofertamos. Momentos que nos fizeram extremamente felizes. Momentos que, revividos, pelos fios invisíveis do pensamento, ainda nos reconfortam e aquecem o coração.
Por tudo isso, ame muito e permita-se amar por seus amores.

“Quanto maior a dificuldade, tanto maior é o mérito em superá-la.” (Henry Ward Beecher)

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 10:08
link do post | comentar | favorito

Chegará um dia...

 

Chegará um dia em que olharemos tudo ao redor
Sem tempo de dizer adeus
Apenas fecharemos os olhos
Com a saudade daqueles que se vão
E com a vontade de existir, mesmo morrendo
Chega um dia em que o sorriso se reverte em lágrimas
E o corpo quer caminhar, mas padece
Chega um dia em que queríamos dizer aos amigos
Sobre os momentos mais lindos e puros
Sobre as brigas, gargalhadas soltas e choros sentidos
Mas chega um dia em que todos se vão
E ainda uma esperança em nossos olhos
Para que a vida não se resuma apenas nisso
Que haja muito mais vida além do que nossos olhos vêem
Que haja muito mais além deste arco íris
Que haja muito mais...

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 09:48
link do post | comentar | favorito
Domingo, 21 de Dezembro de 2008

Castelo de areia

 

Num dia de verão, eu estava na praia, observando duas crianças brincando na areia. Elas trabalhavam muito, construindo um castelo de areia com torres, passarelas e passagens internas.

Quando estavam quase acabando, veio uma onda e destruiu tudo, reduzindo o castelo à um monte de areia e espuma.

Achei que as crianças cairiam no choro depois de tanto esforço e cuidado,

mas tive uma surpresa. Ao invés de chorar, correram para a praia, fugindo da água. E sorrindo, de mãos dadas, começaram a construir outro castelo…

 

Você leva muito tempo de sua vida construindo alguma coisa. Mais cedo ou mais tarde, uma onda poderá vir e destruir o que levou tanto tempo para construir.

Mas, quando isso acontecer, somente aquele que tem as mãos de alguém para segurar será capaz de sorrir!!!

Tudo é feito de areia; o que permanece, apenas, é o verdadeiro relacionamento  que você têm com as pessoas à sua volta.

sinto-me: triste...
tags: ,

publicado por miguel_sousa às 11:14
link do post | comentar | favorito

Estou tentando...

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Estou tentando sorrir, ainda que não tenha motivos
Estou tentando fazer com que esta dor não grite tão alto
Fazer com que este abismo não pareça tão fundo
E de tudo que sonhei estou tentando
Apegar-me apenas ao que tenho, ao que restou

Estou tentando não me lembrar das tuas juras de amor
Mas a saudade na lembrança parece ecoar a tua voz
Falando de uma forma tão alta que exaspera a minha alma
Estou tentando ainda que por um instante
Voltar para a minha vida, olhar para mim!
Mas ao retroceder buscando encontrar-me
Acabo apenas deparando-me com o que ficou de ti
Como se sentenciado fosse a não te esquecer

Estou tentando, com todas as minhas forças
Sorrir mesmo cercado de tanta dor
Chamar de passado o que ainda vejo como amor
Estou a poucos passos do abismo...
Não me parece tão ruim assim
Estou tentando, ainda que digas que vou conseguir
Confesso não acreditar, mas hei de tentar

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 09:37
link do post | comentar | favorito
Sábado, 20 de Dezembro de 2008

Deixe brilhar a Alma

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Era uma vez um rei que tinha 4 esposas. Ele amava a 4a esposa demais e, por isso, vivia dando-lhe lindos presentes, jóias e roupas caras. Ele dava-lhe de tudo e sempre do melhor. Ele também amava muito sua 3a esposa e gostava de exibi-la aos reinados vizinhos. Contudo, ele tinha medo que um dia, ela o deixasse por outro rei. Ele também amava sua 2a esposa. Ela era sua confidente e estava sempre pronta para ele, com amabilidade e paciência. Sempre que o rei tinha que enfrentar um problema, ele confiava nela, para atravessar esses tempos de dificuldade. A 1a esposa era uma parceira muito leal e fazia tudo que estava ao seu alcance para manter o rei muito Rico e Poderoso, ele e o reino. Mas ele não amava a 1a esposa, e apesar dela o amar profundamente, ele mal tomava conhecimento dela. Um dia o rei caiu doente e percebeu que seu fim estava próximo. Ele pensou em toda a luxúria da sua vida e ponderou: "É.... agora eu tenho 4 esposas comigo, mas quando eu morrer, eu ficarei sozinho....". Então ele perguntou a 4º esposa: - "Eu te amei tanto, querida. A cobri das mais finas roupas e jóias. Mostrei o quanto eu a amava, cuidando bem de você. Agora que eu estou morrendo, você é capaz de morrer comigo, para não me deixar sozinho?" "De jeito nenhum!" respondeu a 4a esposa e saiu do quarto sem sequer olhar para trás. A resposta que ela deu cortou o coração do rei como se fosse uma faca afiada. Tristemente, o rei então perguntou a 3a esposa: "Eu também a amei tanto a vida inteira. Agora que eu estou morrendo, você é capaz de morrer comigo, para não me deixar sozinho?" "Não!!", respondeu a 3a esposa. "A vida é boa demais!!!!! Quando você morrer, eu vou é casar de novo..." O coração do rei sangrou e gelou de tanta dor. Ele perguntou, então, à 2a esposa: "Eu sempre recorri a você quando precisei de ajuda e você sempre esteve ao meu lado. Quando eu morrer, você será capaz de morrer comigo, para me fazer companhia?" "Sinto muito, mas desta vez, eu não posso fazer, o que você me pede!" Respondeu a 2a esposa. O máximo que eu posso fazer é enterrar você. Essa resposta veio como um trovão na cabeça do rei e ele ficou arrasado. Então uma voz se fez ouvir: "Eu partirei com você e o seguirei por onde for." "O rei levantou os olhos e lá estava a sua 1a esposa, tão magrinha, tão mal nutrida, tão sofrida. Com o coração partido, o rei falou: "Eu deveria ter cuidado muito melhor de você, enquanto eu ainda podia." Na Verdade nós todos temos 4 esposas nas nossas vidas. Nossa 4a esposa é o nosso corpo. Apesar de todos os esforços que fazemos para mantê-lo saudável e bonito ele nos deixará quando morrermos. Nossa 3a esposa são as nossas posses, as nossas propriedades, a nossa riquezas. Quando morremos, tudo isso vai para os outros. Nossa 2a esposa é nossa família e nossos amigos. Apesar de nos amarem muito e estarem sempre nos apoiando, o máximo que eles podem fazer é nos enterrar. E nossa 1a esposa é a nossa ALMA muitas vezes deixada de lado por perseguirmos, durante a vida toda, a Riqueza, o Poder e os Prazeres do nosso ego. Apesar de tudo, nossa Alma é a única coisa que sempre irá connosco, não importa onde formos.

Então, Cultive... Fortaleça... Bendiga... Enobreça sua alma agora!! É o maior presente que você pode dar ao mundo...

Deixe-a Brilhar!!!

sinto-me: triste...
música: The Killers- Human

publicado por miguel_sousa às 10:51
link do post | comentar | favorito

Retratos de um grande Amor Parte II

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Não preciso que me o digam. Em muitas coisas sou diferente. Sou especial. E como em tudo na vida, isso é bom e é mau ao mesmo tempo.

Sou, apesar de tudo, um tanto ou quanto introvertido. Recordo-me das dificuldades que tive para a convidar a primeira vez para sair. Era a festa de aniversário de uma ex-colega minha, num bar aqui em Quarteira. Perguntei-lhe se ela não queria ir lá ter. Ela respondeu que iria e perguntou-me como é que eu ia. Respondi-lhe que ia andando a pé, pois o bar não era longe. Pediu-me para espera um pouco que ia ao quarto trocar de roupa e dessa forma iria com ela. Até tremi. Lembro-me perfeitamente. Fiquei nervoso. Foi a primeira vez que saímos juntos. Passamos a noite a conversar, entre um cigarro e uma safari com cola ela e um cutty sark com água de castelo eu. Acabamos por ficar lá algumas horas e regressamos depois ao hotel, já "embalados". É claro que nada de mais aconteceu entre nós nessa noite.

Os dias foram passando e a minha admiração por ela aumentando. Fazia tudo para a ver sorrir, para a ver feliz. Sabia o quanto ela era pegada à familia, e o quanto estava a passar por estar sozinha aqui no Algarve. Logo nessa altura, prometi a mim mesmo que nunca nada lhe iria faltar.

O trabalho dela estava relacionado com o acompanhamento de pessoas de idade. Todas as semanas vinham grupos de várias zonas do país. Era frequente, uma vez por semana, irem ao Casino de Vilamoura a um jantar de gala com baile. Numa dessas primeiras noites, lembro-me de ela me ter vindo pedir para lhe fazer um nó numa gravata que ela iria usar nessa noite. É claro que eu disse que sim. O que não lhe disse, é que não sabia fazer nós de gravata (Apesar de no meu trabalho ter que usar gravata, pedia sempre a um colega meu para fazer o nó, e sempre que a tirava, tirava com o nó feito. No outro dia era só voltar a colocar). Fui imediatamente a correr para o computador, e pesquisando, lá consegui, a muito custo fazer o nó na gravata. Foi assim que eu aprendi a fazer nós. Dirigi-me ao seu quarto, bati à porta e entreguei-lhe a gravata. Ela agradeceu-me. Mais tarde, nessa mesma noite, combinamos encontrarmo-nos num bar na marina de vilamoura. Bar esse que dava pelo nome de El Salero e que actualmente já não existe. Confesso que sou um pouco pé de chumbo e que embora goste de dançar, não sou muito dotado para a dança. Foi nesse bar que pela primeira vez dançamos juntos, e que pela primeira vez na minha vida dançei uma kizomba. Lembro-me dos sorrisos, dos abraços, da dança ritmada pelo balanço dos corpos, e claro por algum alcool à mistura. Ela acabou por deixar o carro nesse bar, e atravessamos a maria de vilamoura a pé, até ao Black Jack, discoteca que fica no casino de Vilamoura..Pareciamos duas crianças naquele caminho até à discoteca. A correr, a rir, com ela a pular nas minhas cavalitas... Dançamos o resto da noite. No final, já com o sol a nascer regressamos ao hotel. Os "seus" velhotes já estavam levantados. Disfarçamos, entramos separados. Ela com um jornal debaixo do braço, dando a entender que tinha saido para ir comprar o jornal... Desconfio que não tenha conseguido enganá-los... :)

Mais uma vez nada se passou entre nós...  Admito que a vontade de a agarrar, de a beijar era mais que muita. Mas havia algo que me preocupava, Não parava de pensar que o final do estágio estava quase a chegar e que ela iria embora. E depois como seria? Conhecendo-me como me conheço, iria sofrer com um afastamento...

Os meses foram passando até que em meados de Dezembro chegou a hora de ela ir embora. Resolveu ficar mais alguns dias em casa de umas amigas em Boliqueime antes de ir para cima.

Na manhã em que ela deveria deixar o hotel, deixei-lhe rosas mais uma vez na porta do quarto e mais tarde antes dela sair, pedi à governanta para abrir a porta do seu quarto e deixei-lhe em cima da cama, um livro, a Praia do destino de Anita Shreve, uma caixa de bombons baccio e um poema...

Mais tarde nesse dia chorei... Foi um momento dificil... E não foi o único, pois muitas vezes chorei por ela. Chorei e continuo a chorar...

 

(CONTINUA)


sinto-me: triste...
música: Simply Red - Go Now

publicado por miguel_sousa às 10:10
link do post | comentar | favorito

Sonhos de amor adormecidos...

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Vejo passar o mundo pela janela
vivo sonhos de amor adormecidos
pedaços de mim próprio, entorpecidos
minhas auroras mortas, amarelas.

Sou a alma de um corpo solitário
sorrisos sem graça, luzes apagadas
ando sem rumo sempre triste e calado
abandonado, levo a cruz ao calvário.

Sou viajante de sonhos vividos
paixões desilusões vivo com elas
salto o abismo de tempos perdidos.

Nada me pertence, estou cansado
enlouquecido pela vida, choro e rio
com esperança de ainda ser desejado.

sinto-me: triste...
música: MARIA LEON & RUI VELOSO - Caminhando até ti

publicado por miguel_sousa às 08:25
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2008

Retratos de um grande Amor

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Lembro-me como se fosse hoje...

Ela veio para o Algarve em Setembro de 2004 estagiar, após terminar o seu curso de Assistente Social.

Via-a pela primeira vez de costas no balcão da recepção.  Visto já saber anteriormente que era uma rapariga lá de cima, enquanto me dirigia a ela ia pensando para os meus botões: vamos lá ver se não sai uma manienta qualquer, uma espertalhona. Eu disse olá, ela virou-se e logo ali, houve algo que me chamou a atenção. Os olhos. Os seus lindos olhos verdes. Esticou a mão e apresentou-se. "Bateu-me" logo. A partir dai passei praticamente a viver no hotel. Nessa altura eu fazia horário nocturno, e entrava à meia-noite. Mas na grande maioria das vezes estava lá muito antes. Para a ver, para falar com ela..

Durante os quase 4 meses que lá esteve a estagiar, mantinha-mos longas conversas ao longo da noite. Foi crescendo ali uma amizade. Ficávamos sentados na sala, junto á lareira, em frente ao televisor, falando das nossas vidas, das nossas experiências...

Todos os dias de manhã, quando ela acordava, tinha debaixo da porta do seu quarto um poema que eu lhe escrevia... Fiz questão, antes de mais alguma coisa, de cimentar ali uma amizade. E foi isso que aconteceu. Ganhei ali uma amiga, uma grande amiga. Embora tivesse tido vontade de confessar os sentimentos que me iam no coração, não o fiz. Não quis vulgarizar uma coisa que começava a ser tão bonita.

Um dia, sem mais nem menos, sem ela estar à espera, fui chamá-la à entrada do restaurante e pedi-lhe para ela vir até à recepção. Eu tinha mandado vir um bouquet de rosas (31 ao todo). Mais tarde viria a dizer-lhe qual o motivo de serem 31 rosas. Era uma por cada ano em que não a conhecia e não tive oportunidade de lhe dar uma. Ela ficou surpreendida. Perguntou de quem eram. Respondi-lhe que eram minhas. Tocou-lhe. Notou-se nos olhar.

Soube meses mais tarde, que quando subiu ao quarto para deixar as rosas, chorou...

(CONTINUA)

sinto-me: triste...
música: Tim Maia & Gal Costa - Um Dia De Domingo

publicado por miguel_sousa às 11:03
link do post | comentar | favorito

Recomeçar...

 

Rasgas o céu e o mar, e o teu sorriso
Aplaude um lindo amanhecer.
Caminhas ao sabor do vento,
Firme, vago, ausente...

Descansas confiante em meu regaço
E, sem artifícios, conta-me os teus segredos,
Libertas a tua alma condenada.
Choras os desenganos de amor com saudade
Mas tudo passará suavemente
Ao escutares a música do teu coração.

Redescobres uma nova linguagem
Onde a força da tua voz faz eco.
Descansa! A felicidade plena há-de chegar
Porque a Eternidade diz-me: Recomeça!

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 09:10
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 18 de Dezembro de 2008

Fechar os olhos...

 

Há muito tempo atrás, um casal de idosos que não tinha filhos, morava numa humilde casa feita de madeira. Tinham uma vida tranquila, alegre e amavam-se muito. Eram felizes.

Até que um dia aconteceu um acidente com a senhora. Ela estava a trabalhar em casa. quando de repente a cozinha começou a arder e as chamas atingiram todo o seu corpo.

O marido acordou assustado com os gritos e vai á procura da mulher, quando a vê coberta de chamas e tenta imediatamente ajudá-la. O fogo atinge também os seus braços, mas consegue apagá-lo. Quando os bombeiros chegaram já não havia muito da casa.

Rapidamente levaram o casal para o hospital mais próximo, onde foram internados em estado grave. Após algum tempo o homem, que tinha sido menos atingido pelo fogo saiu da Unidade de Queimados e foi ao encontro da sua amada. A sua esposa toda queimada, pensava que não a veria mais, pois o fogo tinha queimado a sua cara, tendo ficado desfigurada.

Chegado ao quarto a senhora perguntou ao marido:

-Está tudo bem meu amor?

-Sim, respondeu ele. Pena que o fogo tenha atingido os meus olhos e agora já não voltarei a ver. Mas tem calma meu amor que a tua beleza está gravada no meu coração para sempre.

Então, triste pelo seu esposo, ela disse:

-Deus viu tudo o que aconteceu ao meu marido e tirou-lhe a visão para que ele não veja o meu rosto todo deformado pelas chamas.

Passado algum tempo e já ambos recuperados, voltaram para uma casa nova, onde ela fazia tudo para o seu querido esposo, e ele todos os dias lhe dizia:

-Eu amo-te.

E assim, viveram vinte anos até que ela faleceu. No dia do seu enterro, quando todos se despediam, veio o marido, sem os óculos escuros e com a bengala na mão. Chegou perto do caixão, beijou a cara, acariciou a sua amada e num tom apaixonado disse:

-Como és linda meu amor. Eu amo-te!

Ouvindo e vendo aquela cena, um amigo que estava ao lado, perguntou se o que tinha acontecido era um milagre, e olhando para os olhos dele, o velhinho apenas disse:

-Nunca estive cego. Apenas fingia, pois quando a vi toda queimada sabia que iria ser duro para ela continuar a viver assim daquela maneira. Foram vinte anos a viver felizes e apaixonados.

 

Na vida todos temos de provar que amamos! muitas vezes se torna difícil. E para sermos felizes, temos de fechar os olhos para muitas coisas, mas o importante é que se faça única e intensamente tudo com AMOR!

sinto-me: triste...
música: Funeral - Pontos negros
tags: ,

publicado por miguel_sousa às 17:55
link do post | comentar | favorito

Dias Complicados Parte III

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

Por aqui vou continuando a antever o que está por vir.

Mais uma etapa, desta vez a mais dificil...

Dia 26 de Dezembro, dia de aniversário da mulher que amo. Aquela que muito me ensinou. Aquela que muito fez por mim. Aquela que esteve presente nos melhores momentos da minha vida. Aquela que considero a Melhor Mulher do Mundo. Linda por fora, mas mais importante, mais linda ainda por dentro.

Apareceu na minha vida como se de um anjo se tratasse, na altura em que eu mais precisava. Conhecia-a no hotel onde trabalhei durante mais de 9 anos.

Nunca tinha conhecido ninguém assim. Sabem quando nós falamos na nossa Alma Gêmea? Ela para mim é isso mesmo. Completa-me. Poucos ao longo da vida tem a sorte de encontrar a sua. Eu tive essa sorte. Infelizmente nem tudo é perfeito.

Tivemos uma história de amor de que poucos se podem gabar de ter tido.

Lembras-te do que eu te disse um dia Princesa?

Sem te sentir feliz não posso estar bem, não posso sentir a alegria ao desfrutar das coisas da vida. Se não sentir que te trago alegria a cada momento que estamos juntos, ou separados, não vale a pena o sol continuar a brilhar...

Quero o melhor para ti, o melhor que o mundo tiver para te oferecer.

Da minha parte sempre tentei dar-te tudo o que tinha. Oferecer-te o melhor que há em mim...

Sempre foi bom poder partilhar tudo contigo...com amor, com carinho...

Lamento não ter sido capaz de ter sido sempre perfeito...

Desculpa por tudo...

Desculpa por te ter conhecido e ficado feliz ao ouvir a tua voz pela primeira vez. Desculpa por me ter identificado contigo e por te entender. Desculpa por querer estar sempre presente na tua vida e querer participar no teu dia-a-dia. Desculpa por querer impor os meus pensamentos para te incentivar. Desculpa  por querer dar-te o meu ombro amigo e não perceber que te sufocava com as minhas preocupações. Desculpa por sofrer junto contigo. Desculpa por te telefonar, sem imaginar que te incomodaria. Desculpa por gostar dos teus beijos. Desculpa por me sentir feliz ao teu lado e por achar que também te estava fazendo feliz. Desculpa por não corresponder às tuas expectativas. Desculpa por não ser o homem que tu sonhavas. Desculpa se de alguma forma te fiz ou ainda faço sofrer. Desculpa por sonhar um sonho que era só meu. Mas desculpa-me mais ainda por te amar demais.

Não quero nem pensar como vai ser o dia 26 de Dezembro.

Habituei-me nos ultimos 4 anos a ser a primeira pesssoa a desejar-te um Feliz Natal e a dar-te os parabéns no teu dia de anos. A minha tristeza é tão grande que este ano nem tive coragem de fazer a árvore de natal. Sempre a fizémos juntos. Era um momento único, especial...

Enfim... Não está fácil esta minha vida... Dias complicados se avizinham... Mas de uma coisa eu tenho a certeza... do meu amor por ti! Amo@te ainda mais hoje que no inicio. És tudo para mim!!!

 

Nos próximos dias irei começar a publicar aquela que foi a nossa história de amor. Sei que ainda te lembras bem de tudo, mas apetece-me recordar. Sinto a necessidade de desabafar. De falar com alguém. Como não tenho ninguém, vou fazê-lo por aqui. Dei-lhe o titulo de Retratos de um grande Amor.

 

 

 

sinto-me: triste...
música: Doce Solidão - Marcelo Camelo

publicado por miguel_sousa às 10:58
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Cicatrizes de um amor perfeito...

 

 

Tudo começou na magia do sonho
De um doce e lindo encanto
Olhares enternecidos se cruzaram...


Neles reluziam as chamas do desejo
Do beijo e do abraço
As mãos em carinhos se tocaram
E as palavras de amor proferidas
Cercadas de ternura não faltaram


Sentimentos múltiplos os corpos
Experimentaram e trocaram


Hoje em tênues lembranças
Existem somente as lágrimas
E uma infinita tristeza
Onde muitas cicatrizes ficaram
e que serão curadas pelo tempo
Cicatrizes de um amor perfeito
Que foi jogado através do vento.

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 07:12
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

Existe algures uma casa isolada...

 

 

Existe algures uma casa isolada
e algures na casa uma porta fechada
a porta de um quarto não antes usada
um quarto vazio, mas cheio de nada.

Algures no quarto existe uma arca
Sem pegas nem asas, apenas quadrada
Fechada por fora, trancada por dentro
A arca dos sonhos, o meu aposento

Algures nessa arca existe uma caixa
pequena, vazia mas cheia de nada
é lá onde eu guardo o que penso e que sinto
bem longe da chuva, do frio e do vento.

Existe algures uma casa isolada
e no quarto à direita, à janela, uma harpa
com cordas aflitas por enferrujar
de tanto tocar e sobre elas chorar

Existe por vezes quem venha espreitar
à janela do quarto com vista pró mar
mas param para ver e não para escutar
batem á porta sem nunca entrar

sinto-me: triste...

publicado por miguel_sousa às 08:03
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 16 de Dezembro de 2008

Medindo distâncias...

 

 

Fico olhando teus olhos

Teu rosto, por entre palavras

Tento medir distâncias, não consigo

Encontrar respostas nos teus lábios

Nesses cabelos que não cheiro

Nesses ombros que adivinho



Fico lendo do avesso

Invertendo o reverso do três por quatro

Querendo encontrar o que não tenho

O que não existe, o sonho passado

Uma alma que não te pertence

Uma, mais uma mentira, outro pecado



Não posso, não quero, só devo

Continuar duvidando da tua ausência

Dessa paz que me incutes mas não é tua

Dessa dor que alivias mas não és cura

Dessa essência que devolve a vida

Mas a que um corpo não se habitua



Não, porque és demais para mim

Para um peito humilde de um homem só

Porque teus beijos, os que supus

Os abraços com que sonhei

Todas as palavras que juntei e somei

Toda a luz que dispuseste e eu abraçei

Fazem á volta do meu pescoço um nó.

sinto-me: como ultimamente...em baixo

publicado por miguel_sousa às 09:53
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 15 de Dezembro de 2008

Sempre pensando em ti...

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

Todas as vezes
que o calor da vida te acolher,
o sol, o brilho da lua,
o prato de sopa quentinho,
o Hambúrguer bem passado,
o suor do trabalho,
o descanso merecido,
o sol da manhã,
o sorriso de crianças,
o brilho de um olhar mesmo cansado...

Um abraço amigo,
Uma piada,
Tudo o que fizer parte do teu dia,
Tudo o que te acolher de surpresa,
Mesmo tudo o que te desagradar,
Lembra-te que estarei pensando em ti...
em todos esses momentos,
De alegria,
De angustia,
De dor,
De felicidade,
De orgulho,
Todos os momentos da vida que te cerca,
Pois também sou vida,
Sou vibração,
sou alegria,
sou amor,
Sou lágrima,
sou desapontamento,
Sou tudo ao teu redor,

Sou aquele que mesmo à distância,

te ama,
ama-te de alma e coração.
Pensa em mim sempre.
Pois sempre estarei pensando em ti.

 

Amo@te muito melguinha...

sinto-me: em baixo...
música: T-pain ft Lil Wayne - Cant believe it

publicado por miguel_sousa às 08:26
link do post | comentar | favorito
Domingo, 30 de Novembro de 2008

O Amor é um convite...

 

 

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE
 
 
 
O amor é a razão de ser do ser humano, a que lhe dá sentido.
Um ser que sonha, que ama e que não pode viver sem sonhar nem amar está preparado para as mais terríveis provações, adapta-se a tudo, mas não pode viver sem sentido. Todos os dias oiço histórias de amor. Belas, belíssimas histórias, inscritas nas estrelas que brilham no céu dos amantes.
Têm desejo, fantasia, canções que tocam na rádio só para eles, cheiram a mar, a flores, a roupa lavada, têm frases de livros, brincadeiras e tolices, mistérios e segredos, cortesia e abandono, beijos roubados, suspiros e lágrimas...
Histórias que têm alegria e dor, esquecem o tempo, perdem-se no espaço, erguem muros, derrubam barreiras, vivem de esperança, ganham batalhas, desenham corações, há piscar de olhos, cumplicidade, hormonas aos gritos, companheirismo, bombons, nostalgia, conflito e intimidade, perdas e lutos, feridas...
Mas também há espaço para o ressentimento, para a mágoa, a loucura, a saudade, abraços e confiança, mensagens escritas, conversas informatizadas, velas, novelas mexicanas, filmes candidatos a Óscar, romances impossíveis, gostos, desgostos, silêncio, conforto, vazio, tolerância... A esses, juntam-se ainda inocência, incoerência, pele, aconchego, meiguice, riso, tragédia, galantearia, inversão de papéis, mudanças bruscas ou lentas e, amor, têm de tudo as histórias de amor que me contam. Daqui a 100 anos, imagino- as assim, cheias de tudo e cheias de amor.
Nada pára a modernidade, poderemos andar em carros voadores, viver em estações espaciais, informatizar a vida de lés a lés, mas os seres humanos serão sempre seres que sonham e que amam. Em tempos escrevi que o amor é um convite, convida sem planos nem manhas.
Um convite destes não se declina. Nem hoje, nem daqui a 100 anos.
Não achas?


 

QUANDO PARTISTE O MEU SORRISO FOI CONTIGO...

NÃO DESEJO ISTO NEM AO MEU PIOR INIMIGO...
NINGUÉM DEVIA SER OBRIGADO A SOFRER POR AMOR...
ENSINASTE-ME TUDO...
TENHO SAUDADES TUAS...
NÃO SEI VIVER SEM TI...
sinto-me: TRISTE
música: SOMETIMES A LITTLE SOMETIME - SQUEZZE THIS PLEASE

publicado por miguel_sousa às 12:37
link do post | comentar | favorito
Domingo, 16 de Novembro de 2008

Aprendendo...

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

 

 

 

Depois de algum tempo aprendes a diferença, a subtil diferença, entre dar a mão e acorrentar uma alma. Aprendes que amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança.
E começas a aprender que beijos não são contratos, presentes não são promessas.
E não importa o quão boa seja uma pessoa, ela vai ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso. Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais. Descobres que se leva anos a construir confiança e apenas segundos para destruí-la, e que podes fazer coisas num instante, das quais te arrependerás para o resto da vida.
Aprendes que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias. E o que importa não é o que tu tens na vida, mas quem tens na vida. Descobres que as pessoas com quem mais te importas na vida, são tiradas de ti muito depressa; por isso, sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas; pode ser a última vez que as vemos.
Aprendes que paciência requer muita prática. Aprendes que quando estás com raiva tens o direito a estar com raiva, mas isso não dá o direito de seres cruel. Aprendes que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém. Algumas vezes, tens que aprender a perdoar-te a ti mesmo. Aprendes que com a mesma severidade com que julgas, tu serás, em algum momento, condenado.
Aprendes que não importa em quantos pedaços o teu coração foi partido, o mundo não pára para que o consertes.
E, finalmente, aprendes que o tempo, não é algo que volta para trás.
PORTANTO, planta o teu jardim e decora a tua alma, ao invés de esperares que alguém te traga flores. E percebes que realmente podes suportar... E que realmente a vida tem valor, e que tu tens valor diante da Vida!
E só nos faz perder o bem que poderíamos conquistar, o medo de tentar!
É facil passar tudo para o papel, o difícil é fazer...
E o pior é que eu tenho medo... tenho medo que me esqueças... tenho medo que esqueças tudo o que foi bom...

Amo@te muito

sinto-me: tristonho...
música: My Angel Gabriel - Lamb

publicado por miguel_sousa às 11:37
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 29 de Outubro de 2008

Quero Sonhar!!!

 

 

 

POR FAVOR NÃO DESLIGUE O COTONETE,

SIMPLESMENTE PONHA MAIS BAIXO

 

música: Alicia Keys - No One

publicado por miguel_sousa às 09:19
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 13 de Outubro de 2008

Seríamos apenas...

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Existem dentro de nós

Outros nós

Que nos questionam

Nos inquietam

Nos fazem ter medo

Dos medos que devemos ter.

 

Se fôssemos apenas um

Se na temêssemos nada

Não tivessemos medo algum

Seríamos seres insensíveis

Sem alma

Sem emoções

Seríamos apenas...

Pedaços de nada

Despidos de sensações.

 

 

Esta música reflete em tudo o meu estado de espírito...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

sinto-me: triste...
música: Lost without you - robin thicke

publicado por miguel_sousa às 15:37
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Julho de 2008

Restos de mim...

 

 

 

Restos de mim estão por aí,
Espalhados, estilhaçados nos caminhos onde passei,
De tudo o que fomos, tornei-me um ser calado,
De olhar distante, com o coração parado,
Eu não poderia esperar tanta coisa desse amor,
Mas eu entreguei-me e hoje eu nem sei quem sou,
Agora ando perdido por aí,
Sobrevivendo de lembranças tuas,
Sem ao menos ter para onde ir,
Pois onde eu vou, estou à tua procura,
A solidão segue-me atenta,
A cada passo, ela me atormenta,
Quando eu estou calado,
Quando me pendo a um passado,
Restos de mim levados ao vento,
De tudo o que fomos, de todo o meu sentimento,
Pouca coisa me restou,
Apenas um homem calado,
Um homem perdido num passado,
Um ser entregue às dores de um amor
.

sinto-me: triste...
música: akon - the rain

publicado por miguel_sousa às 18:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 13 de Junho de 2008

Foi assim...sonhei contigo

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Na madrugada…
O meu corpo envolto
No torpor do sono
Estremece…
Sonho contigo
Nesse torpor, nesse sonho
Estás linda!
Corres para mim
Com um radiante,
E cintilante sorriso
A poucos metros…paraste
Olhaste para mim, e sorriste
Tranquilamente…
Aproximas-te, e beijas-me
Longamente…
Nossas mãos se entrelaçam
Nossos corpos se roçam
Indefinidamente…
Na madrugada…
Foi assim… sonhei contigo

sinto-me: desiludido com a vida...
música: Notti senza cuore - Gianna Nannini

publicado por miguel_sousa às 04:51
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quero...Quero...Quero-te...

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Mergulho nos teus olhos
E perco-me na profundidade
Do desejo.
 

Quero mais do que o beijo
Prometido e esquecido
No templo do tempo.

Quero voltar ao começo
Da nossa era
E sentir-te Fogo
Idolatrado
Que agora esqueço.

Quero que me queiras
Sem limites
E sem fronteiras
Sem tempo
E com todo
O tempo
Porque eu
Quero-te
Sem hora
E agora! 
 

sinto-me: sozinho...triste...
música: Gianna Nannini - Amandoti! (è la vita la mia)

publicado por miguel_sousa às 04:06
link do post | comentar | favorito

O que os teus olhos escondem...

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Os teus olhos escondem sonhos,
quantos não sei, não contei...
Estavam escondidos.
Olhei-te fixamente,
conheci-te a alma,
reconheci-te em mim.
Tornei a olhar para não me enganar,
deste-me muito de ti...

Os teus olhos são portas abertas
para um mundo encantador,
tenho receio de entrar,
a dor de ter de sair é grande...
Queria ir, rumo ao incerto,
mas tenho medo de ter de sair
antes de me aconchegar um pouco...

Sempre essa fugacidade nos momentos,
sempre a velocidade desmesurada dos gestos.
Permanecer! Eu queria tanto!
Permanecer a um canto desse mundo encantador
que nos olhos se esconde e se reflecte nos sonhos
que não consegui contar...

sinto-me: sem vontade para nada...
música: Gianna Nannini - Suicidio d'amore

publicado por miguel_sousa às 03:33
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 12 de Junho de 2008

Solitário...

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Solitário…
Com tanta gente à minha volta,
Cada um com seu par.
Não há ninguém mais à solta,
Que me queira amar.
A ti eu peço,
Acaba com este desgosto,
Aquele amor que já não esqueço,
Nem aquele, nem o outro,
Nem nenhum que meu tenha sido.
Sinto-me a ficar velho,
Não sei o que tem acontecido,
Procuro ver-me no espelho,
Não consigo.
Escorrem-me as lágrimas pela face,
Lágrimas que não consigo secar,
Serpenteia o sangue nas minhas veias,
Sangue que só pode parar
No último dia
Em que deixar de te amar.
Continuo a não encontrar ninguém,
Estou como sou,
Solitário…
Com tanta gente à minha volta
E cada um com seu par…
E eu,
A amar… tão só.
 

sinto-me: muito em baixo...
música: gianna nannini - meravigliosa creatura

publicado por miguel_sousa às 17:46
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sinto-me perdido no tempo...

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Sinto-me perdido
no tempo…
Num tempo
que já não é meu.
No tempo
de amar,
de sentir,
de desejar,
de querer…
Sinto-me perdido
no tempo…
Num tempo
que já passou,
que a juventude
levou…
Sinto-me perdido
no tempo…
Quando te procuro
num espaço,
que não é meu
por já ter deixado
passar o tempo…
De olhar o céu…
 

sinto-me: adoentado...
música: always - bon jovi

publicado por miguel_sousa às 17:25
link do post | comentar | favorito

Caminho perdido...

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Desenho a saudade
Na areia da minha pele...

Sonho a presença
Na distância dos teus olhos,
No inesperado da tua desconsideração!

Corro as palmas das tuas mãos
Pelas carícias que me fugiram...
Enlaço-te os lábios
Pelas palavras que não me dizem...
Irradio luz negra
Pela paixão que me não cessa...
Deslizo no destino
Pelo caminho perdido!...

sinto-me: com uma grande dôr nos ombros
música: Bon Jovi - Living on a Prayer

publicado por miguel_sousa às 17:20
link do post | comentar | favorito

À minha espera...

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Aí, em algum lugar…
Penso em ti meu amor
Meu coração pulsa, bate forte
Com medo de te perder
Na esperança de te encontrar
Percorro em silêncio,
As margens do tempo
Descanso á sombra, neste oásis
Que me refresca
Deste calor que sinto
Desta ânsia que tenho...
De ti
Suspiro meu amor
A toda a hora, a todo o momento
Aí, em algum lugar…
Estarás à minha espera
Para me beijares
Para me abraçares
Quando...não sei!
Mas estarás ai, em algum lugar…
À minha espera
 

sinto-me: em baixo...
música: Where is the Love? by the Black Eyed Peas

publicado por miguel_sousa às 17:10
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Junho de 2008

Em silêncio...

 

POR FAVOR DESLIGUE O COTONETE

 

 

Muitas vezes
Contemos as lágrimas que nos doem
Que nos ferem
Contemos prantos sufocados
Com o nó na garganta.
Gritamos em silêncio
Para não acordarmos a dor
Que dorme
Silenciosamente...
Dentro de nós
 

sinto-me: Apaixonado...
música: Joss Stone - Torn & Tattered

publicado por miguel_sousa às 19:46
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 36 seguidores

.pesquisar

 

.Junho 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Escondido de tudo...

. Sorriso falso...

. Dias incompletos...

. Rastos de dor...

. Novas sensações...

. Finges não perceber...

. Vagueio, perdido...

. Hoje, sinto-me triste...

. Quem sabe um dia...

. Na busca do amor...

. Uma nova ilusão...

. Sonhei com um amor verdad...

. Sinto-me só...

. A minha poesia é tua...

. Sementes

. Parabéns

. Guardar-te em mim...

. Feliz Natal

. Apenas lágrimas...

. Ser feliz é uma decisão

.arquivos

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Setembro 2006

. Abril 2006

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Para ti avô

. Acto de Fé...

. 12 Palavras por ti...

. Silêncio e tanta gente...

. Mais uma descrição do Amo...

. O Amor em 4 etapas...

.subscrever feeds